15 de abril de 2008
Não. Não quero. Me recuso a sorrir sempre, como numa felicidade inabalável e com cheiro de algodão-doce. Chega de forçar a barra, gargalhar das comédias do cinema até ficar com dores abdominais, quando no fundo eu só queria arranhar os dentes e morder o travesseiro. Cansei de olhares complacentes, que me querem por perto só quando estou bem. Eu quero vivacidade, quero briga, quero perdão. Quero amor mesmo nos dias de humor instável. Suportar não é amor, amor é amor e pronto, ponto. Chega de tomar Champagne e parecer sempre pronta pra festa. Eu quero acordar despenteada, eu sou de verdade, eu sou m u l h e r.


- Me abraça pro tempo parar de novo?
O silêncio e os olhos fechados consentiram.
{ . . . }

Marina Cruz

É Psicóloga por formação, Educadora por vocação e Falartista por opção.

6 comentários

  1. Aliança says:

    Este comentário foi removido pelo autor.

  2. Acampio says:

    cheiro de algodão doce...rs

  3. É bom ser amada mesmo estando descabelada, sensível e com vontade de chorar rios no cinema. Assim, na frente de todo mundo e sem pudor nenhum.
    Tem horas que queremos mais colo do que vinho.

    Adorei! :]

  4. Ual... Ta empolgada e inspirada ultimamente em? Queria poder dizer o memso sobre isso, mas pelo menos achoq ue conclui as ideías d eum novo projeto com começo, meio e fim... Acredita?rs

    Sabe, eu to meio down hoje, então acho melhor voltar aqui deposi e comentar algo descente e que faça sentido...hahaha

    TE amoooooooooooooooooo demais Mag, se cuida ok?

    s2

    Beijos

  5. Marina says:

    Este comentário foi removido pelo autor.

  6. Cacau says:

    É isso aí! Sentimento de verdade é aquele que supera a imagem do rosto inchado do choro, aquele rosto manchado e vermelho, do olhar de desespero! Aquele que supera a imagem da gente devorando frango com a mão, a gente linda e maravilhosa e a gente acabada e destroçada....

    senão, é sopa rala e sem gosto, isso sim.