6 de abril de 2008
Ab imo corde,
Mexe-se, escorre, sangra, acalma.
Bate em descompasso e de repente,
adormece calado, numa alegria disc discr discre discret discreta . . .
Da pureza da criança a sensatez senil
Quer ser mestre, quer ser pai de reviravoltas colossais,
[ e daquelas que ficaram guardadas na gaveta, sem impulso suficiente ]

. . .


Ab imo corde,
Linda ritmia numa canção imperfeita.
és maior que eu? és pequeno como pareces ser?
alguns defendem:
"órgão muscular, bombeia sangue, dois átrios e dois ventrículos".
outros insitem:
- um oceano emocional, guia confiável dos olhos que querem ser cegos [ ? ]
Ad imo corde,
l u z d i v i n a, l u z i n t e r n a.



L U Z.


Ab imo corde: no mais profundo do coração.

Marina Cruz

É Psicóloga por formação, Educadora por vocação e Falartista por opção.

1 comentários

  1. Sabe acho que é insensato o que falarei, porém a liberdade de expressão me permite falar.










    fechei os olhos lendo seu texto e enxerguei elis regina cantando.

    acho que senti uma poesia uma harmonia em canto em suas palavras



    parabens .